Manutenção e Limpeza

  • Durante o primeiro mês limpe o piso somente com pano macio e seco, aspirador de pó ou vassoura de pêlo (cerdas naturais), uma vez que a cura da maioria dos produtos utilizados para dar acabamento ocorre num prazo de 30 dias, caso contrário poderá haver redução prematura do brilho e danos superficiais no revestimento.

  • Sujeiras mais persistentes deverão ser removidas com flanela, ligeiramente umedecida em água limpa e sabão neutro ou limpador apropriado.

  • Não utilizar ceras ou outros produtos que tenham a finalidade de aumentar o brilho do piso, uma vez que a maioria dos acabamentos disponíveis no mercado já possui brilho natural. A partir da constatação da diminuição natural do brilho, pelo uso diário, não utilizar ceras pastosas e ou liquidas que contenham solventes orgânicos (querosene ou aguarrás), recomendamos as ceras: Polwax, Cera Synteko e WW Resistente.

  • Em pisos revestidos com produto UF com Synteko, não deixar cair água e outros tipos de líquidos, principalmente no primeiro mês. A partir do segundo, caso ocorra, enxugar rapidamente evitando acúmulo de poças.

  • Não arrastar móveis ou quaisquer outros objetos que possam arranhar ou marcar o piso, evitando utilizar principalmente cadeiras com rodinhas de material duro. Recomendamos utilizar feltros na base dos móveis.

  • Não deixar o piso em contato direto e prolongado com raios solares.

  • Nunca limpe o piso com palha e aço, detergentes químicos ou solventes. O uso contínuo desses produtos abrasivos ou corrosivos poderá remover a camada protetora.

  • Em casos de apartamentos e casas que permanecerão fechadas por muito tempo, proteja as janelas e portas contra isolação excessiva (papel pardo ou jornal colado nos vidros), e mantenha a residência arejada (ventilada) através de alguma janela aberta, longe da área de piso de madeira. Ex.: janela de cozinha, lavanderia ou banheiro. A ausência de troca de umidade no ambiente pode acarretar uma condição nociva para a durabilidade do piso.

  • A umidade é o principal responsável por empenamento, variação na dimensão das juntas e manchas na madeira e no revestimento. Por isso nunca lave o piso de madeira com água corrente ou pano excessivamente molhado.

    E lembre-se: Quanto maior o cuidado com a manutenção, maior será a durabilidade do produto, bem como de seu acabamento.

  • Ao instalar o piso de madeira certifique-se que o contra piso foi executado com qualidade e que o piso foi instalado seguindo regras relativas à fixação e dilatação. Um piso de madeira acabado de qualidade requer controle em todas as etapas: material, instalação e acabamento.

  • A madeira possui a característica de absorver impactos mecânicos, portanto queda de objetos ou uso de calçados finos podem provocar deformação superficiais no piso.

Calafeto

  • É muito comum pisos de madeira apresentarem juntas expostas, descontínuas e pedaços de calafeto soltos. Essa característica, além de causar desconforto estético, ocasiona, muitas vezes, o acúmulo de sujeiras e poeira, gerando maior transtorno para a manutenção e limpeza do piso.

  • A madeira, por ser um produto higroscópico, é um material extremamente sensível à ação da umidade relativa do ar, variando suas dimensões de acordo com esta.

  • Sabe-se que as paredes das células são constituídas de pequenos filamentos denominados fibrilas, que possuem estrutura espiralada. Como existe uma forte atração entre elas é necessário um esforço enorme para separa-las. Na madeira úmida, as fibrilas ficam ligeiramente separadas pela água concentrada nas paredes das células. Daí a tendência que a madeira seca tem em absorver umidade preenchendo estes espaços. Quando a umidade se desprende das paredes das células, o filme de água entre as fibrilas torna-se menor e as fibrilas aproximam-se no seu todo.

  • A absorção de água promove o afastamento das fibrilas e a madeira se expande. Quando isso acontece, com maior intensidade e sendo mais perceptível em tempos chuvosos, às peças de madeira dilatam, comprimem o calafeto e o mesmo tende a se elevar acima do nível do piso.

  • Do contrário, peças de madeira com umidade excessiva tendem, em períodos secos, sofrer retrações devido à liberação dessa umidade retida. Dessa forma, essa retração faz com que ocorra fissuras na composição do calafeto.

  • É comum ouvir que em mudanças climáticas de temperatura as portas, janelas ou gavetas de armários emperram, enroscam, incham, etc. Nas situações em que mudanças de temperatura são bem diferenciadas do cotidiano (inversões térmicas), as peças exercem uma certa tração contra o seu sistema de fixação e poderão até apresentar fendilhamentos (pequenas rachaduras ou fissuras).

  • Assim sendo, é impossível prever o comportamento da madeira e conseqüentemente a uniformidade do calafeto, uma vez que o mesmo não acompanha as mudanças dimensionais do piso.